Quando os games ultrapassam as fronteiras da vida »

Hoje vamos falar sobre morte. Mas não com o teor nefasto que, certamente, assustou algum leitor mais desavisado. Hoje vamos falar da morte como instrumento da valorização da vida.

Quando o músico David Bowie faleceu, pouco tempo depois que perdemos (perdemos?) o ator Alan Rickman, eu escrevi um texto aqui no Tecnoblog falando sobre o efeito de se baixar a discografia e a necrofilia da arte. Leiam.

Tanto cinema quanto literatura e música possuem algo em comum: eternizar uma obra, um artista, um autor. Primeiramente, isso é fantástico! O caráter atemporal que escritores, atores, atrizes e músicos ganham ao produzir algo em estado da arte (entendeu, entendeu?) é quase… mágico.

Todavia, essa “imortalidade” está restrita a essas pessoas de renome, famosas e meio que distantes do público, apesar da capacidade de nos tocarem de inúmeras maneiras. E isso acontece devido à falta de interação que existe entre o público e a obra. Filme você assiste. Livro você lê. Música você ouve. E você não muda o filme, livro ou música no decorrer do processo.

Videogames, por sua vez, são obras artísticas que demandam interação. O ator principal de um jogo não é o personagem, é o jogador. O personagem é apenas um avatar do jogador. E isso, quando vinculamos ao contexto de vida e morte, é capaz de eternizar pessoas comuns. E o potencial de impacto que isso tem na vida dessas pessoas e de seus entes queridos é incalculável.

Ents queridos. Desculpa.

Há alguns dias, por exemplo, ficamos sabendo da história de um jogador de Forza Horizon 3 que pode se encontrar com um amigo que faleceu no ano passado. Isso por causa do recurso chamado Drivatar, pilotos virtuais que refletem com fidelidade a maneira de pilotar sua e de seus amigos. Isso permite que, mesmo offline, você jogue contra eles, numa simulação feita por computador.

Imagine: seu amigo faleceu há um ano e, no meio de uma corrida em um videogame, ele aparece na mesma pista que você. Com seus trejeitos, seu modo de pilotagem, seu nome acima do carro. E você se vê jogando com um amigo que já se foi. Nas palavras de quem passou por isso:

“Aí eu tava lá pilotando pela Costa, quando eu vejo um nome de usuário da Xbox Live que eu não via há tempos. Era meu amigo Drew. Infelizmente Drew faleceu há mais ou menos um ano. Ele só tinha 19 anos. Bom, aí eu vi seu drivatar e imeditamente colei atrás dele pra desafiar pra um pega. Foi muito surreal, foi como se eu estivesse correndo contra ele no Xbox. Foi meio amargo, mas é mais um motivo pra amar esse jogo. Obrigado por me prover essa lembrança com ele”, disse o gamer.

Isso é especial demais!

Em 2014 uma pessoa que atende pelo apelido de 00WARTHERAPY00 compartilhou uma história sobre o game RalliSport Challenge em um comentário do YouTube.

Quando tinha 4 anos, ele e seu pai adoravam jogar esse jogo, ainda no Xbox original. Infelizmente, seu pai faleceu quando ele tinha 6 anos. Dez anos se passaram sem que ninguém tocasse naquela velha caixa quadrada da Microsoft, que foi acumulando pó em algum lugar da casa.

Até que o rapaz, agora com 16 anos, resolveu ligar o videogame. E se surpreendeu ao ver que o jogo tinha registrado a melhor volta que seu pai fez em uma determinada pista, com aquele recurso que ironicamente se chama Ghost. Para quem não conhece, você pode tentar bater o melhor tempo seu ou de algum adversário, correndo contra a simulação do que foi feito na corrida anterior.

Sério, assista ao vídeo abaixo inspirado nessa história. Separe alguns lenços:

Lindo demais, né?

Esse tipo de história relacionada a videogames é especial demais para mim. Além do óbvio fator que remete a empatia, eu tive uma experiência parecida, que descrevi em detalhes em um post sobre melhores amigos, a vida e videogames.

Eu tive um amigo chamado Guilhermo. Era meu melhor amigo. E ele faleceu aos 21 anos em um acidente de carro.

Para ser sincero, até hoje eu ainda não superei esse trauma. A gente fazia tudo junto, desde ouvir e fazer música a, claro, jogar videogame.

Certa vez ele me emprestou seu Nintendo 64 para que eu pudesse jogar GoldenEye 007. Além disso, eu pedi para que ele escrevesse todas as dicas, cheats e macetes que ele lembrava. E ele o fez. E colocou tudo isso numa folha de caderno que ele pôs no meio do manual do jogo.

Pois bem… Eu esqueci de devolver o manual do jogo para o Guilhermo. E esse manual, sem que eu soubesse, veio comigo aqui para Atlanta, numa pasta com coisas de videogame. Eu esqueci completamente disso.

Assim que eu comprei um Nintendo 64 para minha coleção de consoles, resolvi jogar o mesmo jogo. E eu comecei a chorar assim que abri a pasta antiga e percebi que o manual estava ali, com a folha de caderno que o Guilhermo me escreveu.

Ele se foi há mais de 10 anos e ainda assim, hoje eu ainda posso jogar videogame com ele. Como se ele estivesse aqui comigo. E ainda sinto saudade de você, meu irmão. Você deu um jeito de continuar presente.

Outra história fantástica sobre isso se deu com um garoto que vivia tentando convencer os pais a jogarem videogame. Sua mãe acabou se apaixonando por Animal Crossing. E ela veio a apresentar um quadro muito grave de esclerose múltipla. Jogar era seu passatempo favorito em seus últimos dias, presa a uma cadeira de rodas. Infelizmente ela faleceu.

Alguns anos depois disso, o rapaz resolveu voltar a jogar o game. E qual não foi sua surpresa ao ver que, durante muito tempo, sua mãe tinha enviado para ele inúmeras cartas com presentes.

Você pode ver o quadrinho com a ilustração completa neste link. E aqui uma versão animada, com trilha sonora.

Que história! Eu perdi minha mãe muito cedo, aos 5 anos de idade. E, me colocando no lugar desse cara, não consigo não me emocionar com o caso.

Videogames são instrumentos incríveis de entretenimento, disso ninguém duvida. Mas, cada vez mais, eles se mostram como produtos capazes de prover uma experiência muito acolhedora e que podem amenizar a dor daqueles que já sofreram a perda de alguém que se ama.

Neste universo interativo, todos nós podemos ser eternizados de alguma maneira, e essa sensação virtual da imortalidade faz dos games algo especialmente único.

É como se videogames, mesmo diante da morte, nos ajudassem a valorizar ainda mais a vida.

Fonte